@ Dis-cursos





Translate

31 janeiro 2009

Ensaios












Ensaio sobre a Cegueira


Dirigido por Fernando Meirelles ( de “ O Jardineiro Fiel” e “ Cidade de Deus”, é baseado na obra do escritor português José Saramago. Conta a história de uma inédita epidemia de cegueira, inexplicável, que se abate sobre uma cidade não identificada. Tal “cegueira branca” – assim chamada, levam as pessoas infectadas a verem apenas uma superfície branca, leitosa.
Cegueira que espalha-se por entre as pessoas e, lentamente, pelo país. Todos acabam cegos e reduzidos a organizar suas necessidades básicas, ajudados por uma única mulher não infectada.

O ensaio é uma obra aberta a diversas interpretações, e aponto algumas que considero importante como tema de reflexão:

A surpresa e angústia repentina diante de uma cegueira, mostra a incapacidade humana de lidar com o perigo diante do desconhecido, que me fez lembrar os textos de Michel Foucault ( 1926-84), filósofo francês que, entre outras coisas, estudou a relação do homem com a loucura e a prisão. No filme isto se evidencia no confinamento, que gerou um estado de anarquia, de caos absoluto. Onde as pessoas não tem nada a obedecer além do instinto de sobrevivência.

Outra leitura, seria à disputa do poder, presença marcante em qualquer organização. Ela nasce de um princípio básico: o domínio do outro, pelo medo, pela ameaça, ou pela simples organização de idéias. Qualquer grupo que se forma, há um líder, e o filme nos mostra esse dois pólos divergentes: o organizador e o destruidor.

Portanto, o filme não é sobre cegos, mas da metáfora sobre a cegueira para falar da omissão, da solidariedade, e dos pressupostos éticos de todo ser humano, que na falta deles, geram monstros.

A fotografia é belíssima, e reforça toda a carga dramática do medo e do abandono gerada por essa epidemia. Simulando ao meu ver a própria cegueira, abusando do brilho intenso, luminoso e de cores claras, brancas. E esse recurso, ao meu ver, dá todo o tom do filme para provocar realmente uma reflexão, onde o expectador entra no mesmo estado de desorientação e desconforto experimentado pelos personagens, e são guiados pela excelente atuação de Juliana Moore, em sua própria transformação psicológica durante a seqüência do filme.

Como conclusão :penso que a vida real se dá em meio a este equilíbrio instável e cambiante, entre o ver e o não ver, entre o vício e a virtude , sempre a nos levar a reconhecer que as sombras existem, que precisamos reconhecer a maldade humana e sua fragilidade, que não somos bonzinhos e que precisamos reconhecer nossos males.


JU Gioli











t
texto: JU gioli
~~

5 comentários:

Eduardo P.L disse...

O pior CEGO é o que não quer ver!

Maria Augusta disse...

A "cegueira" mental pode ser perigosa e é uma "doença" que deve ser combatida.
Li sobre este filme quando ele abriu o "Festival de Cannes" e me pareceu muito interessante e este teu post confirma esta impressão.
Um beijo e um bom domingo para você.

expressodalinha disse...

Tenho um enorme preconceito com Saramago. Depois de ler a sua opinião, vou pensar seriamente em ir ver o filme.

jugioli disse...

Obrigado pelos comentários.
Citar um filme sempre é uma tarefa delicada. Tenho sempre minhas ressalvas. Mas o "dis-cursus" é esta forma de ampliar as direções e reflexões do meu dia-a-dia.


JU

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

@@@@@@ Blogs

Anotações diárias